OBESIDADE MENINOS IMPORTANTE TRATAR DESDE CEDO

DIABETES SILENCIOSA

11 de abril de 2014

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: RESPOSTA DAS CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIA DE HORMÔNIO DE CRESCIMENTO (DGH)


OU DEFICIÊNCIA DE HORMÔNIO DE CRESCIMENTO (DGH) IDIOPÁTICA ISOLADA QUE APRESENTAM BAIXA ESTATURA, MEDIANTE TRATAMENTO COM HORMÔNIO DE CRESCIMENTO (HGH)E CRESCIMENTO ESPONTÂNEO SEM REPOSIÇÃO DE HORMÔNIO DE CRESCIMENTO (HGH).


O diagnóstico da deficiência de hormônio de crescimento (DGH) severa é geralmente fácil pela combinação de um fenótipo clássico (aparência física - deposição de gordura no tronco, ondulações de gordura, e relevo frontal), insuficiência de crescimento persistente, idade óssea atrasada, e uma baixa secreção pela hipófise de hormônio de crescimento (GH). No entanto, ao se diagnosticar uma criança assintomática com retardo de crescimento, é muitas vezes mais difícil de provar ou refutar o diagnóstico de deficiência de hormônio de crescimento (DGH) idiopática (sem causa conhecida) isolada, porque não existe nenhum sintoma ou sinal clássico que defina a criança com DGH da criança saudável. Este é particularmente o caso no que diz respeito à avaliação da secreção de GH hipofisário. Nenhum dos parâmetros da secreção de GH seja ele o máximo nível plasmático de GH em um teste de estímulo padrão, a secreção espontânea de hormônio de crescimento de 12 a 24 h medidos no plasma, ou medir os níveis de IGF-I (fator de crescimento de insulina) e da proteína de ligação IGF-3, que mostra uma forte diferença dos níveis secretados pela criança com secreção normal de GH e a com DGH. Mas mesmo assim ainda encontramos situações agravadas pela grande variação intra-individual de todos os testes, e a variação inter gama de concentração plasmática de GH.
O grande problema no diagnóstico é que após a terapia com GH em crianças com DGH, se fizermos novamente os testes de estímulo de GH, encontraremos resultados normais em 21 a 26% dos casos que foram diagnosticados com DGH idiopática. Se a presença de DGH é sentida por uma combinação improvável de resultados clínicos e laboratoriais, e se achados patológicos sugestivos de outras doenças estão ausentes, o diagnóstico da baixa estatura idiopática pode ser aplicado. Em uma classificação recente de baixa estatura idiopática, ela é subclassificada em baixa estatura familiar, atraso constitucional, ou a combinação destes dois. Algumas dessas crianças podem ter uma secreção espontânea de GH baixa, se avaliadas num período de 24 h, em contraste com respostas normais a testes de estímulo de GH no plasma como resposta positiva uma condição denominada disfunção dos neurossecretórios (local de produção do GH no hipotálamo, a glândula hipófise em sua porção anterior só armazena o GH). Embora em muitos casos, mesmo depois de vários testes, não se consegue uma resposta inquestionável sobre o diagnóstico de DGH isolada ou DGH idiopática isolada, a estratégia terapêutica para ambas as condições é a mesma. Por mais de três décadas a administração de GH tem sido amplamente aceita para os pacientes DGH e DGH idiopática isolada. Nesta avaliação foi dada ênfase na estatura final das crianças com DGH e DGH idiopática isolada que trataram com GH.


AUTORES PROSPECTIVOS

Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio 
Endocrinologista – Medicina Interna 
CRM 28930


Como Saber Mais:
1 A criança assintomática com retardo de crescimento, é muitas vezes mais difícil de provar ou refutar o diagnóstico de deficiência de hormônio de crescimento (DGH) idiopática.... como saber mais
http://crescercriancasjuvenil.blogspot.com

2. Os níveis de IGF-I (fator de crescimento de insulina) e da proteína de ligação IGF-3, que mostra uma forte diferença dos níveis secretados pela criança com secreção normal de GH e a com DGH... como saber mais
http://crescermais2.blogspot.com

3.Embora em muitos casos, mesmo depois de vários testes, não se consegue uma resposta inquestionável sobre o diagnóstico de DGH isolada ou DGH idiopática isolada, a estratégia terapêutica para ambas as condições é a mesma... como saber mais
http://metabolismocontrolado.blogspot.com

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO 
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.

Referências Bibliográficas:
WIT, JM; KAMP, GA; Rikken, B.







Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55(11) 7717-1257
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraíso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com


13 de julho de 2011

ENDOCRINOLOGIA–NEUROENDOCRINOLOGIA: CRIANÇAS NASCIDAS PEQUENAS PARA A IDADE GESTACIONAL (PIG), PRÉ-PÚBERES, COM BAIXA ESTATURA


DEPENDEM DA DOSE DE HORMÔNIO DE CRESCIMENTO UTILIZADA NO TRATAMENTO E DA ÉPOCA EM QUE INICIAM O TRATAMENTO, OU SEJA, O QUANTO ANTES MELHOR.


Esta avaliação teve como objetivo verificar a eficácia e a segurança de diferentes doses de hormônio do crescimento (GH) no tratamento de crianças pré-púberes com baixa estatura que nasceram pequenas para a idade gestacional (PIG). Foram avaliadas 48 crianças nascidas pequenas para a idade gestacional (PIG) que foram distribuídas ao acaso em 3 três grupos diferentes: um grupo controle de 12 crianças que não receberam nenhum tratamento por 2 anos, um grupo foi tratado com GH em dose pequena ao dia, e um grupo foi tratado com GH em dose maior ao dia. No total, 42 crianças completaram 2 anos de acompanhamento, e 24 crianças dos grupos tratados completaram 3 anos de tratamento. A idade média no início da avaliação foi de 4 anos. As crianças ficaram pré-púberes durante o curso da avaliação. Nenhum ganho na estatura foi observado no grupo não tratado, mas houve uma clara resposta de ganho na estatura dependendo da dose de GH utilizada nas crianças tratadas. 
Adicionar legenda
Após o terceiro ano de tratamento, o grupo que recebeu a maior dose de GH alcançou sua estatura alvo. Os principais determinantes da resposta de crescimento foram a dose de GH utilizada no tratamento, a idade do início do tratamento (quanto mais nova a criança melhor a resposta do crescimento) e da família em relação ao déficit da estatura individual (quanto maior o déficit de estatura, melhor a resposta ao crescimento). As concentrações dos fatores de crescimento ligados à insulina IGF-I e IGF-3 aumentou durante o tratamento. Um aumento nos níveis de insulina foi encontrado sem efeitos negativos sobre os níveis de glicose em jejum ou dos níveis de hemoglobina glicosilada. O tratamento com GH ocorreu sem intercorrências ou efeitos indesejados. Como conclusão verificamos que crianças com baixa estatura, pré-púberes, nascidas pequenas para a idade gestacional, apresentam uma resposta de crescimento dependente da dose da terapia de GH, e sua altura alvo pode ser alcançada dentro de 3 anos de tratamento, dando-se a maior dosagem de GH por dia.

AUTORES PROSPECTIVOS

Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611


Dra. Henriqueta V. Caio
 
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930

Como Saber Mais:
1. O objetivo verificar a eficácia e a segurança de diferentes doses de hormônio do crescimento (GH) no tratamento de crianças pré-púberes com baixa estatura que nasceram pequenas para a idade gestacional (PIG)... como saber mais
http://crescercriancasjuvenil.blogspot.com

2. Houve uma clara resposta de ganho na estatura dependendo da dose de GH utilizada nas crianças tratadas... como saber mais
http://crescermais2.blogspot.com 

3. Após o terceiro ano de tratamento, o grupo que recebeu a maior dose de GH alcançou sua estatura alvo... como saber mais
http://metabolismocontrolado.blogspot.com


AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO DOS
AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.



Refêrencias Bibliográficas:
M Boguszewski ; K-Albertsson Wikland ; S Aronsson ; J Gustafsson; L Hagenas; U Westgren ; O Westphal ; M Lipsanen Nyman; Eu Sipilä; P Gellert ; J Müller ; B Madsen.










Contato: 
Fones:55(11) 5087-4404 ou 6197-0305 
Nextel:55(11) 7717-1257 
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122 
Paraíso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com
Seguir no Google Buzz


12 de julho de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: NA AVALIAÇÃO CLÍNICA DOS PACIENTES COM DEFICIÊNCIA DE HORMÔNIO DE CRESCIMENTO (DGH)


DEVE-SE LEVAR EM CONTA O PESO E A ESTATURA AO NASCER, A ESTATURA DOS PAIS, O INÍCIO DA PUBERDADE DOS PAIS, A IDADE DA MENARCA DA MÃE.


Na avaliação clínica de pacientes com suspeita de deficiência de hormônio de crescimento (DGH) devem-se levar em conta as seguintes questões: o peso e o comprimento ao nascer: retardo do crescimento intra-uterino é um problema no diagnóstico diferencial e deve ser aparente a partir do nascimento; a estatura dos pais: o cálculo da estatura ajustado para sexo e estatura dos pais, também chamado de estatura-alvo, ajuda a avaliar o potencial genético de uma criança; para os meninos, calcular a estatura ajustada para a estatura dos pais com a adição de 2,5 a 6,5 centímetros a partir da média das estaturas dos pais. Para as meninas, subtraia de 2,5 a 6,5 centímetros a partir da média das estaturas dos pais; a esta estatura ajustada para sexo e para a estatura dos pais representa estatisticamente a estatura final mais provável para a criança; o início da puberdade dos pais: o atraso constitucional do crescimento e da maturação pode ter um histórico familiar. A maioria das mães pode lembrar a idade da menarca (idade média é de 12 a 12,5 anos); a idade da puberdade é mais difícil de estabelecer porque não existe um marco preciso, mas lembre-se que é geralmente boa para quando ocorre um desenvolvimento posterior a de outros meninos; pontos de crescimento anteriores: o padrão de crescimento da criança é uma parte importante dos exames de baixa estatura; se a taxa de crescimento é normal (cerca de 5 cm/ano a partir de 3 anos de idade até a puberdade), significa que a baixa estatura da criança provavelmente é causada por uma variante normal, tais como baixa estatura familiar ou atraso constitucional do crescimento e da maturação. 
Se a taxa de crescimento é lenta, uma causa patológica para a baixa estatura é mais provável; a saúde geral da criança: a exclusão de doença crônica como causa de baixa estatura é de extrema importância; a história nutricional: a desnutrição é a causa mais comum de baixa estatura em todo o mundo. A mortalidade em crianças com deficiência de hormônio do crescimento (DGH) é devido quase que inteiramente a outras deficiências hormonais hipofisárias. Estas crianças têm um risco aumentado relativo de morte na idade adulta por causas cardiovasculares resultantes da composição corporal alterada e dislipidemia. Mais morbidade em crianças com deficiência de hormônio de crescimento (DGH) refere-se a baixa estatura. A estatura média do adulto para pacientes não tratados com deficiência de hormônio de crescimento (DGH) isolado grave é de 143 cm em homens e 130 cm em mulheres
Aproximadamente 5% das crianças com deficiência de hormônio de crescimento (DGH) também têm episódios de hipoglicemia , particularmente na infância, que resolve com terapia de hormônio de crescimento. Adultos com deficiência de hormônio de crescimento (DGH) não tratada tem alterada a composição corporal (por exemplo, excesso de gordura corporal, menor massa corporal magra), diminuição da mineralização óssea, fatores de risco cardiovascular(em particular, os lipídios (HDL-colesterol, LDL-colesterol, colesterol total, triglicérides do sangue alterados), e diminuição da tolerância ao exercício. Além disso, esses pacientes podem ser socialmente isolados.

AUTORES PROSPECTIVOS

Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930

Como Saber Mais:
1. Na avaliação clínica de pacientes com suspeita de deficiência de hormônio de crescimento (DGH) deve-se levar em conta o peso e o comprimento ao nascer... como saber mais
http://crescercriancasjuvenil.blogspot.com

2. O padrão de crescimento da criança é uma parte importante dos exames de baixa estatura... como saber mais
http://crescermais2.blogspot.com 

3. A estatura média do adulto para pacientes não tratados com deficiência de hormônio de crescimento (DGH) isolado grave é de 143 cm em homens e 130 cm em mulheres... como saber mais
http://metabolismocontrolado.blogspot.com

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO DOS 
AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.



Refêrencias Bibliográficas:
Mills JL, Schonberger LB, Wysowski DK. Mortalidade a longo prazo da coorte Estados Unidos da pituitária-destinatários derivados do hormônio do crescimento. J Pediatr . Abril 2004;. 144 (4) :430-6; LA arco-íris, Rees SA, Shaikh MG. Análise de mutação do pufe-1, PROP-1 e HESX-1 mostram baixa freqüência de mutações em crianças com formas esporádicas de deficiência hormonal combinada pituitária e displasia septo-óptica. Clin Endocrinol (Oxf) .Fevereiro 2005;. 62 (2) :163-8; Blethen SL, DB Allen, Graves Segurança D. de hormônio de crescimento recombinante derivado do ácido desoxirribonucléico: A experiência de Estudo Nacional de Cooperativas Crescimento. J Clin Endocrinol Metab . Maio de 1996;. 81 (5) :1704-10; Frindik JP, Baptista J. altura Adulto na deficiência de hormônio de crescimento: perspectiva histórica e exemplos do estudo de crescimento cooperativo nacional. Pediatrics . Outubro 1999, 104 (4 Pt 2) :1000-4; AW raiz, Kemp SF, Rundle AC. Efeito da terapia a longo prazo recombinantes do hormônio do crescimento em crianças -. Estudo Nacional de Crescimento Cooperativa J Pediatr Endocrinol Metab . 1998; 11:403-12; Lindsay R, Feldkamp M, D. Harris Growth Study Utah:. Padrões de crescimento ea prevalência de deficiência de hormônio do crescimento J Pediatr . Julho 1994;. 125 (1) :29-35; Cuttler L, Silvers JB, Singh J, U Marrero, Finkelstein B, G Tannin, et al. Baixa estatura e terapia de hormônio de crescimento. Um estudo nacional sobre padrões de recomendação médica. JAMA . 21 de agosto de 1996;. 276 (7) :531-7; Grimberg A, E Stewart, Wajnrajch MP. Sexo de pediatria recombinante destinatários crescimento humano hormônio nos Estados Unidos e no mundo. J Clin Endocrinol Metab . Junho 2008;. 93 (6) :2050-6; Mayer M, Schmitt K, Kapelari K, Frisch H, Köstl G, M. Voigt crescimento espontâneo em Deficiência do hormônio de crescimento desde o nascimento até 7 anos de idade: Desenvolvimento de Curvas de Crescimento de doenças específicas. Horm Res Paediatr . 29 de abril de 2010.






Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55(11) 7717-1257
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com



Site Clinicas Caio
http://dracaio.site.med.br
http://drcaiojr.site.med.br

Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br

Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,46.650481&spn=0,0&t=h&z=17

Seguir no Google Buzz



ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: A DEFICIÊNCIA DO HORMÔNIO DE CRESCIMENTO (DGH) PODE SER ORGÂNICA


QUE PODE SER DESENCADEADA POR CAUSAS DIVERSAS, OU PODE SER DEFICIÊNCIA DE HORMÔNIO DE CRESCIMENTO (DGH) ISOLADO E A INCIDÊNCIA DE DEFICIÊNCIA DE HORMÔNIO DE CRESCIMENTO (DGH) NÃO VARIA COM A RAÇA.


Após uma avaliação com 80.000 crianças verificou-se que cerca de 25% dos pacientes com deficiência de hormônio de crescimento (DGH) tinha uma etiologia orgânica. Estas etiologias incluíram o seguinte: tumor do sistema nervoso central (SNC), incluindo craniofaringeoma - 47%; malformação do SNC- 15%; SOD - 14%; leucemia - 9%; radiação do SNC - 9%; trauma do SNC - 3%; Histiocitose (Histiocitose X é um conjunto de perturbações (doença de Letterer-Siwe, doença de Hand-Schüller-Christian, granuloma eosinófilo) em que proliferam macrófagos (células de defesa do organismo) anormais (histiócitos) e outro tipo de células do sistema imunitário chamadas eosinófilos, especialmente no osso e no pulmão, provocando muitas vezes a formação de cicatrizes) - 2%; Infecções do sistema nervoso - 1%. A nível mundial, a freqüência de deficiência do hormônio do crescimento (DGH) isolada tem sido relatada na faixa de 1 caso por 1.800 crianças no Sri Lanka (dados provavelmente superestimados devido a critérios de diagnóstico) para 1 caso por 30 mil crianças em Newcastle, Reino Unido (dados provavelmente subestimados devido ao encaminhamento para uma clínica de crescimento). Embora nenhuma diferença racial na incidência da deficiência de hormônio de crescimento (DGH) seja aparente, a taxa na qual os pacientes recebem a terapia de hormônio de crescimento (HGH) parece diferir por raça. 
Entre quase 9.000 pacientes com deficiência idiopática (sem causa conhecida) de hormônio de crescimento em um banco de dados norte-americano, 85% dos que receberam tratamento com hormônio de crescimento eram brancos, apenas 6% eram negros, e 2% eram de origem asiática. Uma distribuição quase idêntica é vista em pacientes com deficiência de hormônio de crescimento (DGH) orgânico. A distribuição por sexo dos pacientes com deficiência idiopática (sem causa conhecida) de hormônio do crescimento é de 73% do sexo masculino e 27% do sexo feminino. Entre os pacientes com deficiência de hormônio de crescimento (DGH) orgânico, em que nenhuma diferença de sexo deve estar presente, o proporção é de 62% do sexo masculino e de 38% do sexo feminino. Quando a deficiência de hormônio do crescimento (DGH) é diagnosticada como parte de SOD, a distribuição por sexo é quase igual (meninos/meninas relação é 1,3:1). Provavelmente esta observação se deva a maior preocupação com a estatura dos meninos. No entanto, exame minucioso dos dados de um estudo revela o dobro do número de meninos do que meninas no grupo com estaturas menores e com taxas de crescimento inferiores a 5 cm/ano. No entanto, vários estudos têm tentado determinar o ponto em que o preconceito de gênero é introduzido. Foram publicados os resultados de uma pesquisa de endócrino - pediatras que o tratamento com hormônio de crescimento foi de 1,3 vezes mais comum em meninos do que em meninas. Além disso, foi examinado um grande banco de dados mundial de crianças tratadas com o hormônio do crescimento e se encontrou uma predominância do sexo masculino dos pacientes tratados na Ásia, Estados Unidos, Europa, Austrália e Nova Zelândia, mas não no resto do mundo. Especula-se que estes dados são um reflexo da cultura nos países em que esta conduta foi observada. Embora a maioria dos casos de deficiência idiopática (sem causa conhecida) de hormônio de crescimento pode ser um pensamento presente no nascimento, o diagnóstico é muitas vezes adiado até que a preocupação sobre a baixa estatura seja aventada. O diagnóstico de deficiência de hormônio do crescimento (DGH) é feita durante dois picos de idade. O primeiro pico de crescimento ocorre pela primeira vez aos cinco anos de idade, uma fase quando a criança começa a escola e a altura da criança pode ser mais baixa que dos seus colegas. O segundo pico de crescimento ocorre em nas meninas entre 10 a 13 anos e nos meninos entre os 12 a 16 anos de idade. Este segundo pico de crescimento, possivelmente, se relaciona com a puberdade associado com o hormônio de crescimento (HGH). 
Crianças com deficiência de hormônio do crescimento (DGH) pode parecer que crescem num ritmo mais lento do que seus colegas, porque os seus colegas estão no meio do surto de crescimento puberal, enquanto que crianças com deficiência de hormônio de crescimento (DGH) ainda não entraram nesta fase. A deficiência de hormônio do crescimento (DGH) é uma doença congênita, não importando quando o déficit de estatura torna-se clinicamente evidente, as crianças com deficiência de hormônio de crescimento (DGH) crescem e se desenvolvem muito pouco, ficando bem mais baixas que seus colegas. Isso revela que o hormônio do crescimento é essencial para o crescimento adequado na infância e na primeira infância.


AUTORES PROSPECTIVOS

Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930

Como Saber Mais:
1.
Cerca de 25% dos pacientes com deficiência de hormônio de crescimento (DGH) tinha uma etiologia orgânica... como saber mais
http://crescercriancasjuvenil.blogspot.com 

2.
Nenhuma diferença racial na incidência da deficiência de hormônio de crescimento (DGH) seja aparente, a taxa na qual os pacientes recebem a terapia de hormônio de crescimento (HGH) parece diferir por raça... como saber mais
http://crescermais2.blogspot.com 

3.
Foram publicados os resultados de uma pesquisa de endócrino - pediatras que o tratamento com hormônio de crescimento foi de 1,3 vezes mais comum em meninos do que em meninas... como saber mais
http://crescermais2.blogspot.com 

AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO DOS
AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.




Refêrencias Bibliográficas:
Mills JL, Schonberger LB, Wysowski DK. Mortalidade a longo prazo da coorte Estados Unidos da pituitária-destinatários derivados do hormônio do crescimento. J Pediatr . Abril 2004;. 144 (4) :430-6; LA arco-íris, Rees SA, Shaikh MG. Análise de mutação do pufe-1, PROP-1 e HESX-1 mostram baixa freqüência de mutações em crianças com formas esporádicas de deficiência hormonal combinada pituitária e displasia septo-óptica. Clin Endocrinol (Oxf) .Fevereiro 2005;. 62 (2) :163-8; Blethen SL, DB Allen, Graves Segurança D. de hormônio de crescimento recombinante derivado do ácido desoxirribonucléico: A experiência de Estudo Nacional de Cooperativas Crescimento. J Clin Endocrinol Metab . Maio de 1996;. 81 (5) :1704-10; Frindik JP, Baptista J. altura Adulto na deficiência de hormônio de crescimento: perspectiva histórica e exemplos do estudo de crescimento cooperativo nacional. Pediatrics . Outubro 1999, 104 (4 Pt 2) :1000-4; AW raiz, Kemp SF, Rundle AC. Efeito da terapia a longo prazo recombinantes do hormônio do crescimento em crianças -. Estudo Nacional de Crescimento Cooperativa J Pediatr Endocrinol Metab . 1998; 11:403-12; Lindsay R, Feldkamp M, D. Harris Growth Study Utah:. Padrões de crescimento ea prevalência de deficiência de hormônio do crescimento J Pediatr . Julho 1994;. 125 (1) :29-35; Cuttler L, Silvers JB, Singh J, U Marrero, Finkelstein B, G Tannin, et al. Baixa estatura e terapia de hormônio de crescimento. Um estudo nacional sobre padrões de recomendação médica. JAMA . 21 de agosto de 1996;. 276 (7) :531-7; Grimberg A, E Stewart, Wajnrajch MP. Sexo de pediatria recombinante destinatários crescimento humano hormônio nos Estados Unidos e no mundo. J Clin Endocrinol Metab . Junho 2008;. 93 (6) :2050-6; Mayer M, Schmitt K, Kapelari K, Frisch H, Köstl G, M. Voigt crescimento espontâneo em Deficiência do hormônio de crescimento desde o nascimento até 7 anos de idade: Desenvolvimento de Curvas de Crescimento de doenças específicas. Horm Res Paediatr . 29 de abril de 2010.







Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55(11) 7717-1257
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com



Site Clinicas Caio
http://dracaio.site.med.br
http://drcaiojr.site.med.br

Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br

Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,46.650481&spn=0,0&t=h&z=17

Seguir no Google Buzz


26 de junho de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: COM TERAPIA DE HORMÔNIO DE CRESCIMENTO (HGH – SOMATOTROFINA) PODEMOS BENEFICIAR TANTO MENINAS QUANTO MENINOS


E COM ESTROGÊNIO PODEMOS DIMINUIR A TAXA DE CRESCIMENTO EM MENINAS MUITO ALTAS. ENTRETANTO OBRIGATORIAMENTE DEVE SER EFETUADO POR ENDOCRINOLOGISTA.


Nas décadas de 1950 e 1960, as meninas com estatura acima da média, eram vistas como pouco femininas e menos atraentes para os pretendentes ao casamento do que meninas mais baixas. Muitas meninas altas, saudáveis receberam tratamento com estrogênio para impedir, ou melhor, diminuir sua taxa de crescimento. Atualmente é muito raro se fazer uso de estrogênio em meninas altas para diminuir sua taxa de crescimento, com a finalidade de adequá-las às normas sociais de estatura. Hoje, graças à tecnologia de engenharia genética na década de 1980, se obteve o hormônio de crescimento por DNA – recombinante (HGH – somatotrofina) e seu uso ficou praticamente isento de efeitos colaterais, portanto ficou mais fácil corrigir a baixa estatura idiopática (sem causa conhecida) tanto dos meninos quanto das meninas saudáveis. Em uma revisão histórica, observou-se o uso do tratamento com estrógeno durante os últimos 50 anos para ilustrar como o conhecimento científico continua a ser criado e aplicado para se adequar às crenças sociais e políticas vigentes. No início na década de 1940, a terapia com estrogênio era utilizada para limitar a estatura da criança em risco de ficar muito alta devido à acromegalia, um distúrbio hormonal que ocorre quando a glândula pituitária produz o hormônio do crescimento (HGH – somatotrofina) em excesso.Não muito tempo depois disso, porém, os cientistas começaram a se perguntar se a mesma terapia impediria meninas altas saudáveis de se tornarem adultas bem altas. Por que meninas saudáveis não podiam ser adultas altas? Na década de 1950 os pais ficavam cada vez mais preocupados com as implicações sociais de suas filhas serem muito altas, e preocupados se elas teriam dificuldades em encontrar roupas de tamanho adequado e até mesmo um futuro emprego como uma aeromoça ou bailarina. Já que meninas altas geralmente tornam-se mulheres altas, a maior preocupação parecia ser a de que as mulheres altas teriam dificuldade de se encaixar socialmente, de se sentir confortáveis em reuniões sociais, e mais importante ainda, encontrar um homem para casar. Até as décadas de 1960 e 1970, os pesquisadores começaram a olhar mais de perto os efeitos da terapia com estrogênio sobre o crescimento das mulheres, assim como sua saúde geral. 
Eles observaram efeitos positivos da terapia, tais como redução da taxa de crescimento, e melhorias na auto-estima e desempenho escolar. Este tratamento, no entanto, teve seu lado negativo. Muitos pacientes relataram sentir náuseas, dores de cabeça e ganho de peso, mas não houve complicações mais graves, como hipertensão leve, doença benigna da mama e cistos ovarianos. Foi feito um debate médico sobre o risco e a eficácia da terapia com estrogênio, combinada com a mudança da cultura social na década de 1970 e 1980, e houve uma diminuição do uso desta terapia para controlar a estatura das meninas. Em uma pesquisa efetuada em 1977, 50 por cento dos inquiridos trataram as meninas para controlar a estatura com terapia estrogênica. Em 1999, uma nova pesquisa revelou que apenas 23 por cento dos inquiridos trataram meninas altas nos últimos cinco anos, e apenas 1 por cento tinham tratado mais de cinco casos com terapia estrogênica. O hormônio de crescimento (HGH – somatotrofina) é usado para baixa estatura e o estrogênio é usado para diminuir a taxa de crescimento em crianças. 
Há uma diferença notável entre o uso das duas terapias: sexo. Embora o tratamento com a terapia com estrogênio para o controle da alta estatura foi quase exclusivamente focada em meninas, o tratamento de hormônio de crescimento (HGH – somatotrofina) em crianças saudáveis, de baixa estatura ocorre em duas vezes mais meninos do que meninas. O tratamento de hormônio de crescimento de meninos com baixa estatura poderia ser considerado o equivalente no século 21 ao tratamento de estrogênio para o controle da estatura em meninas altas. O tratamento com estrogênio, também, tem implicação importante para uso futuro e estudo da terapia de hormônio de crescimento (HGH – somatotrofina) para modificar a altura das crianças. Precisamos perceber que os avanços científicos são sempre aplicados dentro de um contexto social específico, e de normas sociais e crenças que podem nos afetar muito no trabalho na clínica diária.

AUTORES PROSPECTIVOS

Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologista
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio
Endocrinologista – Medicina Interna
CRM 28930

Como Saber Mais:
1. Nas décadas de 1950 e 1960, a estatura média das meninas foi aumentando, e estas eram vistas como pouco femininas e menos atraentes para os pretendentes ao casamento do que meninas mais baixas...
http://crescercriancasjuvenil.blogspot.com

2. Por que meninas saudáveis não podiam ser adultas altas...
http://crescermais2.blogspot.com

3. Em uma pesquisa efetuada em 1977, 50 por cento dos inquiridos trataram as meninas para controlar a estatura com terapia estrogênica...

http://metabolismocontrolado.blogspot.com


AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO DOS
AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.


Refêrencias Bibliográficas:
Ann Arbor, MI-Na; Joyce Lee, MD, MPH; Arquivos de Medicina Pediátrica e Adolescente.







Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55(11)7717-1257
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com
vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com


Site Clinicas Caio
http://dracaio.site.med.br
http://drcaiojr.site.med.br


Site Van Der Haagen Brazil
www.vanderhaagenbrazil.com.br
www.clinicavanderhaagen.com.br



Google Maps:
http://maps.google.com.br/maps/place?cid=5099901339000351730&q=Van+Der+Haagen+Brasil&hl=pt&sll=-23.578256,-46.645653&sspn=0.005074,0.009645&ie=UTF8&ll=-23.575591,46.650481&spn=0,0&t=h&z=17


Creative Commons License
This work is licensed under a Creative Commons Attribution-ShareAlike 3.0 Unported License.



Seguir no Google Buzz

19 de junho de 2011

ENDOCRINOLOGIA – NEUROENDOCRINOLOGIA: NO CASO DE CRESCIMENTO DAS MENINAS,


EXISTEM PEQUENAS DIFERENÇAS QUE NECESSITAM ATENÇÃO, DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO COM HORMÔNIO DE CRESCIMENTO (HGH) NA INFÂNCIA E ADOLESCÊNCIA: A DECLARAÇÃO RESUMO DA SOCIEDADE DE PESQUISA SOBRE GH LIGADA À ÁREA, COMO A SOCIEDADE DE GH RESEARCH SOCIETY, OPINIÃO DE MÉDICOS E CLÍNICOS, PESQUISADORES, PARA GARANTIR QUE OS PACIENTES SEJAM DEVIDAMENTE IDENTIFICADOS E TRATADOS; FORAM FORMULADAS DIRETRIZES DE CONSENSO PARA O DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES COM DHGH (DEFICIÊNCIA DE HGH) E REPOSIÇÃO DE HORMÔNIO DE CRESCIMENTO HGH POR DNA - RECOMBINANTE, QUE É DESENVOLVIDO POR ENGENHARIA GENÉTICA.


Por se tratar de um assunto muito importante para os pais, devemos apenas lembras que nas meninas o crescimento estatural é linear ou em sequencial, e com a progressão da produção dos hormônios que desencadearão a 1ª menstruação (menarca), os hormônios estrogênicos, diminuirão a eficiência do crescimento a partir desta época, mas o diagnóstico de DHGH (deficiência do hormônio de crescimento - GH), na infância é semelhante e consensual, é um processo multifacetado que requer uma avaliação clínica e um desenvolvimento global, combinada com testes bioquímicos do fator de crescimento HGH, insulina (IGF- fator de crescimento de insulina) o eixo e a avaliação radiológica. DHGH (a deficiência do hormônio de crescimento), pode se apresentar como um problema isolado ou em combinação com deficiência de hormônio de múltiplas áreas da hipófise (DHGHM). Cada componente deste processo requer critérios, e cada um dos quais deve ser considerado. Os critérios clínicos e de desenvolvimento, da avaliação de DHGH (deficiência do hormônio de crescimento - GH), em uma criança pequena, onde a baixa estatura é definida como uma altura de mais de 2 DP (desvio padrão é uma entidade estatística, neste caso para podermos encontrar valores semelhantes em suas diferentes variações, (Análise de agrupamento) - Análise de Correspondência de padrões), abaixo da média da população, não deve ser iniciado até que outras causas de falha do crescimento, como hipotireoidismo, doença crônica sistêmica ( de todo o organismo), a síndrome de Turner ou doença esquelética, tenham sido consideradas e devidamente excluídas. Principais fatos na história clínica e exame físico que pode indicar que a DHGH (deficiência do hormônio de crescimento - GH), podem estar presentes incluem: 1) no neonato: hipoglicemia, icterícia prolongada, microphallus (ou micropênis) ou parto traumático; 2) irradiação craniana; 3), trauma na cabeça ou infecção do sistema nervoso central; 4) consanguinidade e/ou um membro da família afetado, e 5), anormalidades craniofaciais da linha média (as duas metades da face não “proporcionais”). 
É reconhecido que a baixa estatura está presente em muitas vezes, e só este fato indica a necessidade de tratamento com hormônio de crescimento HGH – por DNA - Recombinante, mesmo que os fatores que levaram a esta situação não estejam muito claros, o que não desobriga o endocrinologista a descartar todas as possibilidades detectáveis, e é necessário que se verifique tecnicamente pelo endocrinologista ou neuroendocrinologista os desvios padrões. Outros fatores que justificam o tratamento clínico em pacientes com baixa estatura, podem enumerar alguns dos principais critérios para iniciar investigação imediata, e incluem: 1) baixa estatura grave, altura mais  abaixo da média e uma velocidade de crescimento acima de 1 ano mais de 1 DP (desvio padrão) abaixo da média para a idade cronológica (idade real do paciente), ou uma diminuição na altura DP (desvio padrão) de mais de 0,5 DP, mais de 1 ano em crianças acima de 2 anos de idade; 4), na ausência de baixa estatura, velocidade de crescimento mais abaixo da média em 1 ano ou mais de 1,5 DP (desvio padrão)  sustentada ao longo de 2 anos sem alteração positiva orgânica natural, o que pode ocorrer em DHGH deficiência de hormônio de crescimento produzido pelo próprio organismo, apresentando na infância, ou em problemas orgânicos DHGH com deficiência de hormônio de crescimento adquirido; 5), sinais indicativos de uma lesão intracraniana; 6) sinais de DHGHM- combinação com deficiência múltiplas de hormônio da  hipófise e 7) neonatal (na fase pós-nascimento), sintomas e sinais de DHGH- deficiência de hormônio de crescimento. 
Note-se que a interpretação de dados de crescimento exige os mais recentes padrões da população relevantes disponíveis. Isso requer uma avaliação clínica de vigilância do crescimento infantil, juvenil e adolescência, a mais rigorosa possível o que não é comum, pois muitos profissionais podem esperar um pseudo - estirão, principalmente no sexo masculino, que não necessariamente poderá ocorrer. Pode parecer complexo ao leigo ou mesmo ao profissional da área que não esteja habituado a tratamentos especializados, entretanto a solução é relativamente fácil, eficiente e com riscos desprezíveis se não tiver qualquer fator complicador nos exames realizados, tanto clinicamente, quanto laboratorialmente, bem como de imagens (radiológicas). Procure sempre seu endocrinologista e neuroendocrinologista de confiança, pois estatura não se recupera, só poderá ser eficiente após inicio de tratamento.

AUTORES PROSPECTIVOS

Dr. João Santos Caio Jr.
Endocrinologia – Neuroendocrinologista 
CRM 20611

Dra. Henriqueta V. Caio 
Endocrinologista – Medicina Interna 
CRM 28930

Como Saber Mais:
1.O hormônio de crescimento HGH - por DNA Recombinante quais as avaliações deve ser feitas para sua aplicação em crianças, juvenis, e adolescentes do sexo feminino... 
http://crescercriancasjuvenil.blogspot.com

2.Quando o HGH hormônio de crescimento deve começar sua terapêutica se comparado com meninos... 
http://crescermais2.blogspot.com 

3. O HGH – hormônio de crescimento quando bem indicado traz bons resultados para meninos e meninas...
http://metabolismocontrolado.blogspot.com


AUTORIZADO O USO DOS DIREITOS AUTORAIS COM CITAÇÃO 
DOS AUTORES PROSPECTIVOS ET REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA.

Refêrencias Bibliográficas:
Esses consensos têm sido aprovados pela comunida internacional  das seguintes sociedades:   Drug and Therapeutics Comitês Conselhos da Sociedade Européia de Endocrinologia Pediátrica e da Lawson Wilkins Pediatric Endocrine Society. Também foi aprovado pelos Conselhos de Endocrinologia Pediátrica Australasian Group, da Sociedade Japonesa de Endocrinologia Pediátrica, ea Sociedad Latinoamericana de Endocrinologia Pediátrica. de participantes do Hormônio do Crescimento Research Society Workshop sobre Criança e Adolescente deficiência do hormônio de crescimento, Eilat, Israel, 17-21 outubro de 1999: Dr. Kenneth M. Attie (Genentech, Inc., South San Francisco, CA), Bengtsson Dr. Bengt-Ake (Universidade de Goteborg, Hospital Sahlgrenska, Goteborg, Suécia), Dr. Sandra L. Blethen (Genentech, Inc.), Blum Dr. Werner (Bad Homburg, Alemanha), Dr. . Cameron Fergus (Royal Children's Hospital, Parkville, na Austrália), Dr. Jean Claude Carel (Hôpital St. Vincent de Paul, Paris, França), Dra. Lena Carlsson (Hospital Sahlgren, Goteborg, Suécia), Dr. John J. Chipman (Eli Lilly & Co., de Indianápolis, IN), Dr. Jens Sandahl Christiansen (Kommunehospital Aarhus, em Aarhus, Dinamarca), Dr. Clemmons Clayton Pedro (Hospital da Criança de Manchester, Manchester, UK), Dr. David R. (University of North Carolina, em Chapel Hill, Carolina do Norte), Dr. Pinchas Cohen (Hospital Infantil da Mattell, Los Angeles,ET all.






Contato:
Fones: 55(11) 5087-4404 ou 6197-0305
Nextel: 55(11)7717-1257
ID:111*101625
Rua Estela, 515 - Bloco D - 12º andar - Conj 121/122
Paraiso - São Paulo - SP - Cep 04011-002
e-mails: drcaio@vanderhaagenbrasil.com
drahenriqueta@vanderhaagenbrasil.com 

vanderhaagen@vanderhaagenbrasil.com

Site Clinicas Caio

Site Van Der Haagen Brazil

Seguir no Google Buzz